Domínio Público


Não existe almoço grátis by vinacherobino
30 outubro, 2006, 11:20 am
Filed under: comércio, economia, internet, sociedade, Vinícius Cherobino

Um cara passa por uma perda na família. Está se sentindo terrivelmente mal, sozinho, abandonado. Na sua Austrália natal, resolve ir para uma área comercial bastante agitada para… oferecer abraços. Munido de um cartaz na mão -escrito Free Hugs-, Juan Mann se embrenha na selva de gente, numa aventura corajosa em tirar as pessoas de suas defesas urbanas em troca de abraços. Vai fazendo isso por alguns anos.

De repente, aparece no You Tube (aquele famoso site de vídeos online). Um músico da banda sick puppies vê o vídeo e faz uma música. Na era da produção coletiva, não sei direito como, aparece um vídeo: música sobre as cenas, jogo de p&b e cor, textos explicativos e tal; um videoclipe sem tirar nem por. O resultado é bem bonito

O negócio pegou… Como toda a onda na internet, o pessoal começou a sair com os seus cartazes nas mãos. Aconteceu em todos os cantos, com os orientais receosos da Coréia do Sul, em Tel Aviv e na polonesa Cracóvia. Assistindo, meu primeiro pensamento foi: “anos e anos de grades e abstração forçada do mundo enlouquecedor em que se vive nas grandes cidades ainda não foram suficientes para cortar essa tentativa desesperada de contato”. Mas aí…

Aí chegou a bagaça no Brasil. E o negócio foi diferente. Primeiro, trocaram o Free Hugs -que seria algo como Abraços Grátis- por “Me dá um abraço?”. Isso já tira boa parte da genialidade da idéia, por que o outro pode se esconder atrás da pena ao babaca de terno que corre com um cartaz na mão. E não foi só isso. Aproveitando que era um dos primeiros a tentar a idéia em terras tupiniquins, tascou uma propaganda no cartaz… Um empreendedor nato.

Depois de ler algumas manifestações de ódio dos internautas -xingando até cansar o jeitinho brasileiro- e de ultrapassar a minha própria, fui pensar direito. A despeito de me incomodar com a esperteza e com esse lance desesperado de “todas-as-chances-estão-por-aí-só-precisa-saber-aproveitar”, entendi o papel desse cara.

Era uma questão de tempo até isso acontecer. Se for analisar tranqüilamente, isso acontece com toda forma de manifestação cultural. É o processo de digestão do capitalismo… Ou o punk não fazia disquinhos bonitinhos para serem vendidos nas lojinhas? O Blues, de matéria de expressão negra, passa a ser alterado (adulterado?) para figurar como gênero easy listening! O rap (rythim and poetry) não vira a base o Hip-Hop que deriva em RB e que faz milionários e mais milionários na capa e por trás dos discos? No final, editoras não garantem algum com tomos e mais tomos da obra do Karl Marx?

E é por isso que não existe almoço grátis. Se ainda não cobraram, é só questão de terminarem de elaborar a nota fiscal.

Anúncios

3 Comentários so far
Deixe um comentário

mto bom!
e o clipe é lindo!
Ainda existem coisas bonitas, até que alguém resolva transformá-las.

Comentário por Fabi

A idéia original é excelente!! E acho que não deixa de ter seu valor, ainda que outros a copiem e a desvirtuem. Acho sua conclusão um pouco, assim, como direi… cética??

Comentário por Silvia

VELHO ESSE VIDEO DOS ABRAÇOS ME EMOCIONOU… SÓ EM PENSAR QUE UM ABRAÇO PODE MUDAR TODO O HUMOR DE UMA PESSOA… PARABENS PRA VCS… UM ABRAÇO BEM FORTE E QUE DEUS ABENÇOE VCS…

Comentário por MAGLISSON




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: