Domínio Público


Vida de gado by Daniela Moreira
14 dezembro, 2006, 5:34 pm
Filed under: Uncategorized

Sim, caro leitor, cá estou eu, “vivinha da silva”, de volta da Índia. Apesar das previsões encorajadoras dos amigos de que a esta altura já teria sido devorada pelos porcos assassinos, pisoteada por um bando de vacas furiosas ou contaminada pelas águas putrefatas do Ganges, vou muito bem, obrigada.

A título de prestação de contas, sim, as vacas andam felizes pelas ruas por lá mesmo. Aliás, justiça seja feita, em Nova Deli, não vi nenhuma. Mas em Bangalore, o “Sillicon Valley” indiano, que movimenta mais de 18 bilhões de dólares ao ano em softwares e serviços, as bichas estão por toda parte, ruminando sem constrangimentos. Na favela que nascia colada à parede do hotel cinco estrelas onde a IBM nos hospedou, vivem pelo menos umas três dúzias delas, pelas minhas contas.

E Bangalore não é campeã apenas no quesito vacas. Também dá um show no quesito trânsito. As buzinas incessantes marcam o ritmo caótico do vai e vem dos carros, bicicletas, rickshaws, ônibus e despreocupados pedestres que andam quase que literalmente uns por cima dos outros, na mão “inglesa”, só pra deixar esta desnorteada blogueira ainda mais atordoada.

Para o indiano médio, buzinar é quase obrigatório. Buzina-se para prevenir as colisões, para retaliar o barbeiro ao lado, para censurar o pedestre desatento, mas, antes de tudo, buzinar faz parte da vida. Em Deli, justiça seja feita de novo, o transito também é bastante caótico – o que, vindo de uma paulistana, quer dizer muita coisa.

A miséria, como também já haviam me alertado, está em toda parte. Em Bangalore, uma miséria triste, serena e resignada. Caminha-se pela favela, e quase tudo – tirando os prédios imponentes das multinacionais de tecnologia, os hotéis que servem de refúgio aos trabalhadores estrangeiros da tecnologia e os shoppings onde passeiam e compram os profissionais da tecnologia – é favela.

O mais impressionante é que, com 200 dólares na bolsa e uma câmera na mão, caminhando entre becos, não me senti em nenhum momento ameaçada. E isso, vindo de uma paulistana, quer dizer muita coisa. Imagine caminhar pela favela do Heliópolis – ou pela Rocinha, pra ser menos bairrista – com 200 dólares no bolso e uma câmara na mão e sair ileso, sem nenhuma tentativa de assalto ou seqüestro, e o que é mais surpreendente, sem nem mesmo sentir-se hostilizado.

Assim é caminhar entre os miseráveis de Bangalore, seus barracos caindo aos pedaços, suas ruas estreitas e imundas (de volta, a justiceira: vi apenas um rato, morto e muito bem nutrido, o que me leva a crer que morreu de enfarto, diante de um rickshaw desgovernado). Eles te olham com seus olhos grandes e curiosos e nada dizem – quando dizem, é uma súplica insistente: “anti, one foto, plis, one foto”.

Gostam mesmo é de se ver no LCD da câmera, mas se não der, basta sair na foto. Os mais velhos ou mais tímidos, às vezes lançam um olhar pesaroso, que como muito bem apontou o meu colega de viagem, parece dizer: “Ok, vá em frente, pode me fotografar. É isso aí mesmo, eu tô na merda, você também, e um dia todos nós vamos morrer, a vida é assim mesmo”.

As mulheres, com seus sarís multicolores, que podem ser amarrados de mais de 70 jeitos diferentes, e os homens, quase sempre da camisa (das mais discretas às mais extravagantes, com estampas em xadrez pink e verde) esboçam um certo esforço de elegância que, imagino, tem a ver com a herança da colonização britânica.

São, no mais, muito solícitos (o que pode se tornar facilmente irritante) e servis. Dizem que são também muito disciplinados e adaptáveis, por isso se deram tão bem neste negócio de prestar toda sorte de serviços terceirizados para o mundo – mas não dá pra dizer, é claro, que o salário de 500 dólares/mês para engenheiros formados (que por lá, aparentemente, é uma boa grana) não tenha nada a ver com isso.

Mas mesmo em Deli, onde a miséria é mais dura e mais frenética (e os camelôs e pedintes mais “saídos”), guardam uma dose de reserva e solicitude, que me parece, não tem só a ver com a necessidade de ganhar dinheiro. E como já diria o dono do nosso hotel, o não tão majestoso Madonna, “aqui ninguém vai te matar, no máximo vão tentar te aplicar um golpe”.

É um jeito de ser manso e resignado de ver e viver a vida. Como as suas sagradas vacas, que vivem no pasto – ou nas ruas – a contemplar a vida e a ruminar a ração que lhes cabe neste mundo, parecem andar no ritmo que a vida dita, como se soubessem de algum segredo que esqueceram de nos contar.

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: