Domínio Público


O melhor esquadrão de todos os tempos by vinacherobino
18 dezembro, 2006, 3:33 pm
Filed under: bernardinho, esportes, futebol brasileiro, sociedade, Vinícius Cherobino

Preciso, antes de tudo, confessar: nos esportes, não escondo o saudosismo rasgado por tempos d’outros que meu quarto de século não permite que ele (o saudosismo) ser tão profundo assim.

E tem outra, sou dado a opiniões que ninguém concorda. São-paulino há tempos, acho que o Zetti foi muito, mas muito mais goleiro do que o Ceni.

Feitas as ressalvas, não concordo com a missiva exposta pelo blogueiro. E vamos aos porquês:

1- Craques: Se for pensar em craques, mas craques mesmo, esse time de vôlei tem apenas alguns poucos. A força está num Bernardinho, que congrega todo mundo e é a razão de ser da bagaça toda, e o resto vem depois… Só ele é muito acima da média. Depois, destacam-se – na minha visão – as defesas e espírito do Escadinha e os ataques do Giba, respectivamente. Depois, a gente demora para encontrar um cara que seja realmente referência. Pelo contrário, o que vejo é um time com caras esforçados e dedicados que dão até a última gota por conta de um técnico excepcional. Acho que nisso, dá para traçar um paralelo claro entre o Bernardinho e o Telê (alguém lembra do lateral-direito Vitor?).

2- O esquadrão: Também não dá para dizer que esse time é um esquadrão mortal. Não tem uma grande personalidade, tipo um Sócrates, não tem um craque absoluto, tipo um Pelé, não tem o marrento, tipo o Romário, não tem o salvador, tipo o Marcos ou o Zetti. Tem o carregador de piano, mas isso é pouco para um esquadrão (ou alguém se esqueceu dele?). Ah, e claro, tem o rabugentamente vencedor técnico. Mas o resto falta.

3- Títulos: Por mais que o cartel seja impressionante, e é, não dá para falar em hegemonia absoluta que envergonha os outros países. Nesse aspecto, o mais marcado é o Dream Team. Craques espalhados por todos os lados, disponíveis aos borbotões em todas as cinco posições da quadra (tanto que o Jordan foi o único titular absoluto em todas as partidas; ainda que pese o problema das contusões) e tbm na comissão técnica. Para falar, o Coach K – o mago que faz a Duke um competidor vitalício ao título universitário – era na ocasião um jovem assistente. E só falei do Dream Team pq fiquei com vergonha de citar os octacampeões de bocha da Bela Vista. O craque desse querido time, indiscutivelmente, ainda é A personalidade, O marrento e O carregador de piano; tudo num só.

E se você não ficou feliz com os critérios anteriores, ainda trago na manga o critério final. De tal importância que, caso isso não fosse o meu primeiro post pelo mundo dos esportes, mas uma suja planilha no excel, teria um peso tão grande que praticamente anularia as outras: o nível de interesse para tomar uma gelada.

Como? Explico. Pensa assim: seu bar de coração (qq bom bebedor tem algum bar de coração), uma mesa, a garota, uns amigos, as geladas e acepipes. Aí, na pinta, quem valeria convidar em todo o time do vôlei tão cansado de ser campeão? Uma resposta sincera coloca o Escadinha, e é só.

E por isso, mais do que tudo, o esquadrão de vôlei brasileiro de Bernardinho não é o melhor esquadrão da história. É só mais um time vencedor.

Anúncios

6 Comentários so far
Deixe um comentário

Vinicius, meu caro colega, eu discordo do seu comentário. E a oposição é firme, porque me incomoda perceber que não se valoriza o resultado final e, principalmente, o trabalho em equipe.

Garanto que inclusive o Bernardinho, que você tanto admira, luta contra os estrelismos individuais em nome da saúde do grupo. Como esporte coletivo, os nomes perdem relevância quando a equipe mantêm o foco no objetivo final – que por sinal está sendo alcançado.

No grupo, possivelmente não haveria a mesma alegria e o mesmo espírito se lá estivessem estrelas e as taças não estivessem nas mãos, como atualmente acontece nos times norte-americanos de basquete.

Para mim, essa geração do vôlei masculino resgata justamente o espírito de equipe, que está tão apagado, como ficou representado pela atuação brasileira na Copa deste ano. Estrelas não pensam coletivamente.

Abraço, Luiza.

Comentário por Luiza

Fala, Lu.

Então, não desvalorizo em nada o trabalho em equipe. Acho fundamental e, até, imprescindível se vc pensa num grande esquadrão.

Que o time do Bernardinho não é. Talvez por ser uma presença tão forte -e por claramente cuidar para que os estrelismos não apareçam- os outros se nublam e as personalidades fiquem mais difícieis de achar.

De resto, concordo em tudo contigo. Especialmente com o nojo em relação à campanha da seleção na última copa. Mas lá, muito menos, não havia um esquadrão…

É fundamental o espírito de equipe, mas é preciso mais para se tornar um esquadrão e entrar nos cânones (meus cânones, aliás).

bjs

Comentário por vinacherobino

tu não entende nada de vôley! Aposto que sequer jogou uma peladinha nos idos do antigo ginásio. Em que pese a sua missiva, é temeroso comparar modalidades esportivas. É SIM o melhor time de todos os tempos! Para tanto, se deve considerar o alto nível que é volei atual onde não existe esta ou aquela equipe fenomenal. São no mínimo 8 (OITO) equipes fortíssimas! Qual outro esporte tem um nível desses. Ademais, o time tem uma combinação de saque recepção boqueio defesa e ataque impressionantes, superior, inclusive, ao poderoso time soviético e o eficientíssimo time norte-americano. Por favor, faça um favor a si mesmo, se valha das estatísticas, das combinações, disciplina, talento, evolução atlética, todas as nuances do jogo em si, para chegar a conclusôes mais apropriadas, mas, tudo dentro do esporte volleyball. Partindo dessa premissa, daí, então, se por a par de esporte pra esporte, verá que a sua argumentação não se sustenta em termos absolutos. No mais, parábens pelo espaço cedido! Valeu!

Comentário por douglas flaviano

Meu caro, uma coisa não tem nada a ver com a outra.
Evidente que é temerário comparar modalidades esportivas, como é temerário comparar épocas. Seguindo esse raciocínio, a gente só vai poder comparar as receitas da Ana Maria Braga…
Passado esse problema, que é a proposta exata do post, não critiquei a qualidade do time do Bernardinho. Mas quando se coloca o time do Bernardinho como o maior esquadrão do ESPORTE de todos os tempos, a resposta continua sendo não… E isso não diz nada sobre a capacidade do time e nem do contexto do esporte. Quer coisa mais competitiva do que o futebol citado? Tanto em clubes quanto em seleções? E jogar volei, que de fato não é meu esporte preferido (nem no ginásio), pouco importa nessa análise…

Por isso, o único favor que faço a mim é continuar falando o que eu acho. Vc não está proibido de escrever pq não é jornalista ou escritor…
abs

Comentário por vinacherobino

Mais uma vez o senhor Vinicius vem de forma sorrateira e peralta tentar despretigiar o grande trabalho feito ao longo das décadas nesse emocionante esporte que é o Volleyball. Lamentável!!
abs Fazeda

Comentário por Lusa

falando sério agora, você se esqueceu do Ricardinho. O cara é diferenciado também, basta comparar com levantadores de outros times. Mas ele é muito resmungão, ele não o chamaria pro Ritorna

Comentário por Lusa




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: