Domínio Público


Excelentíssimo Presidente Nuzman by Eduardo Simões

Nunca antes na história desse país um golpe de Estado foi tão rápido, astuto e efetivo. Sem mais nem menos, diante de um Lula boquiaberto e com o microfone na mão, o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, derrubou o mandatário eleito e se tornou presidente do Brasil.

Vale destacar ainda o ineditismo de um golpe diante de 90 mil pessoas em uma arena esportiva. Ali, na frente de todo mundo, sem o menor embaraço, Nuzman derrubou o governo e tomou o lugar de Lula.

Não foram necessárias conspirações em quartéis, reuniões às escondidas com a elite reacionária ou com a esquerda revolucionária. Foi como se Nuzman tivesse, numa molecagem, abaixado as calças de Lula diante do Maracanã lotado.

Pouco mais de dez palavras derrubaram Lula. Sim, nunca antes na história da humanidade um golpe de Estado precisou de apenas pouco mais que uma dezena de palavras. “Declaro abertos os Jogos Pan-Americanos Rio 2007”.

Está certo que não foi com a inspiração do “a nação está acéfala” do ex-presidente do Congresso Auro de Moura Andrade, mas foi muito mais eficaz. Não foi necessário que um general marchasse de Belo Horizonte em direção à Brasília nem que a alta cúpula do Exército conspirasse contra o mandatário. “Declaro abertos os Jogos Pan-Americanos Rio 2007” e a Presidência estava tomada, simples assim.

E o melhor, o presidente não estava em Porto Alegre, em São Borja ou no Uruguai. Ele estava ali, há poucos metros, com um microfone próximo à boca e segurando um caderno aberto. Um expectador privilegiado de sua própria queda, do golpe de que acabara de ser vítima.

E agora? O que vem depois do golpe? Será que Lula voltará a recorrer a José Dirceu para montar o governo de resistência em São Bernardo? Será que recorrerá ao clamor popular para, nos braços do povo, contragolpear Nuzman e retomar a Presidência?

Será que Nuzman vai sair dizendo que assumiu a Presidência somente em caráter interino? Acho o mais provável. Não se sabe quais as bases de sustentação que ele tem na política. Não sabemos se é tucano, DEM, PSOL ou o quer que seja. Sabemos que gastou uma nota no Pan e, ao ver o filho nascer, talvez não tenha resistido à tentação e decidiu tomar de Lula o comando da Pátria por alguns segundos.

Quando o Pan foi em Havana, em 1991, Fidel fez o discurso mais curto de sua vida, 22 segundos, para declarar aberta a edição daquele ano dos Jogos. Talvez o golpe de Estado promovido inadvertidamente por Nuzman também entre para a história como o menor tempo em que um presidente da República ficou no cargo. Exatamente três palavras: o “Boa sorte Brasil!” que sucedeu a declaração de golpe.

Coitado, não pôde sequer subir a rampa, colocar a faixa e fazer sua foto oficial. Na história, no entanto, constará: Carlos Arthur Nuzman, presidente do Brasil de 13 de julho de 2007 a 13 de julho de 2007.

Anúncios

2 Comentários so far
Deixe um comentário

[…] A vaia entrou na moda. Primeiro a polêmica gerada pela vaia para o Lula no Maracanã em plena abertura do Pan, que provocou até um breve e silencioso golpe de Estado. […]

Pingback por Domínio Público

eu queria achar um video mas nao achei que saco algum me dis como entrar nos videos???????

Comentário por juju




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: